Resposta



As folhas caídas, as folhas que passam e que submergem para morrer. As folhas velhas, as esperanças do ano passado, as mentiras.

Responde o vento; elevam-se os ramos despidos e inunda-me um sentir, calor e chama: o despontar da flor, a folha nova, o rebento. Não se trata de esperança, mas apenas de vida.

Comentários

Maria disse…
Na minha noite, infelizmente tão curta
o vento está prestes a encontrar-se com as folhas das árvores

Ouves o sussurro das sombras?

ali, na noite, algo acontece
a lua é vermelha e ansiosa
e sobre este telhado
que a qualquer momento pode ruir
as nuvens, qual procissão de carpideiras
aguardam o nascimento da chuva.
um segundo
depois nada
atrás desta janela a noite treme
e a terra pára de girar
atrás desta janela
qualquer coisa desconhecida inquieta-se comigo e contigo

Tu, verde dos pés à cabeça
coloca as tuas mãos, essas memórias escaldantes,
nas minhas mãos amorosas
entrega os teus lábios ao toque
dos meus lábios amorosos
repletos do calor da vida
o vento levar-nos-á
o vento levar-nos-á.

[Forough Farrokhzad]

Contigo, assim...
Tudo,
Damien disse…
O mar é longe,mas somos nós o vento;
e a lembrança que tira,até ser ele,
é doutro e mesmo,é ar da tua boca
onde o silêncio pasce e a noite aceita.
Donde estás,que névoa me perturba
mais que não ver os olhos da manhã
com que tu mesma a vês e te convém?
Cabelos,dedos ,sal e a longa pele,
onde se escondem a tua vida os dá;
e é com mãos solenes,fugitivas,
que te recolho viva e me concedo
a hora em que as ondas se confundem
e nada é necessário ao pé do mar.

[Pedro Tamen]

Sim, somos nós.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro