Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2009

Adiado

Imagem
Robert Frank - Elevator Miami Beach

O beijo que não te dei. Que possa ser eterno como o rio: partir, chegar, passar sempre e ser sempre o rio.

É cedo para o Inverno. A minha hora não está no relógio... fiquei fora do tempo! Tarde, pronto, perdido ontem, incerto amanhã, incerto hoje. Datas e horários que não podem fixar, sujeitar um beijo!

Querer II

Imagem
Quero-te porque és minha cúmplice e somos muito mais que dois. E pelo teu rosto sincero e o teu caminhar decidido. Quero-te em mim. Quero-te porque és quem amo, minha cúmplice em tudo e somos muito mais que dois.

Querer I

Imagem
As tuas mãos são a minha carícia, o meu acordar. Quero-te porque és minha cúmplice, e somos muito mais que dois. Os teus olhos são a minha arma contra viagens indesejadas, quero-te pelo teu olhar. A tua boca que é tua e minha, a tua boca não se engana, quero-te porque a tua boca sabe gritar desejo.

Disse-te

Imagem
Quero-te. Disse-o com o vento; com o sol, que doura os nossos corpos despidos e está em todas as coisas; com as núvens que seguram o céu, tristezas fugitivas; com as plantas, criaturas transparentes; com a água luminosa sobre um fundo de sombra; com alegria, com palavras. Mas não me chega assim: para além da vida, quero dizê-lo para além do amor, quero dizê-lo com o eterno.

Sei bem

Imagem
Queria-te, eu sei. Soube-o logo, quando senti a tua ausência no meu sangue. Andava com o desejo no lábio, entre madrugada e sombra... Regressa agora o vento a levantar castelos à minha frente, visto a minha voz para dizer-te como te quero.

Destinada

Imagem
Nan Goldin

Tantas luas passadas em claro, gatos e mais gatos, e o hotel era luxuoso. E mais sonhos e beijos e mais beijos que ficaram de tanta lua, que ficaram de tanta água de tanta sede de tanto copo.

Uma janela destinada a ti, para que nela te apoies, perfeita. Tu fazes com a tua beleza o que outros fazem com o céu.

Fez

Imagem
Talvez não fosse pensar, a fórmula, o segredo, mas dar-me como perdido e achado, talvez pudesse eleger o essencial, tinha que encontrar sentido a toda a coisa. Talvez não fosse viver este estar silencioso e este sentir sobre a música, um silêncio de abismo a cada coisa. Talvez devesse cair em amores quietos, sem alma, ser esqueleto. Talvez não fosse pensar, a fórmula, o segredo, mas amar-te e amar, perdida, intensamente. Talvez pudesse ter o destino da semente em vez de uma lógica amarelecida e um estar de estátua com os olhos vazios. Talvez pudesse vergar este meu destino...

Comecei a viver no dia em que o talvez se fez.

Aprender #2

Imagem
Edward Weston

A minha táctica é olhar-te, aprender como és, querer-te como és. A minha táctica é falar-te e escutar-te, construir com palavras. É ser real, saber-te assim e que não nos vendamos nem fazemos simulacros, que entre os dois não haja tela nem abismo.

O vísivel

Imagem
Após um breve descanso, pôs-se de pé. Ainda tinha que percorrer um longo caminho para chegar ao sítio onde se dirigía. À sua direita, um promontório que entrava pelo mar, e à sua esquerda, uma extensa praia de areia fina. Desceu lentamente. Nem um ser humano se distinguia até onde chegava o olhar. Algunas gaivotas voavam sobre a espuma com as asas abertas, umas atrás das outras, como cometas suspensos por um fio invisível.

Ela mar

Imagem
Sentada na areia, com os olhos brilhantes pelo prazer de um passeio junto à líquida planura do mar. As águas eram de um azul profundo. A tranquilidade no ar e a quietude da maré baixa davam ao oceano a aparência de uma vasta imobilidade. Nem uma onda nem uma ruga sobre o seu espelho tenso. Ali ao fundo, na linha do horizonte, as velas de um barco interrompiam a solidão das caladas ondas.

Revemos dias futuros

Imagem
Profundos e plenos, breves e imensos, os teus olhos no teu rosto; ascende a chama, parece que a manhã se incorpora luminosa, ali entre mar e céu, sobre a linha que se mede entre os dois azuis, a linha que em nós se detém e nos beija o olhar; silenciosamente, revemos os nossos dias. Abrem-se os olhos ao amanhecer.

Abre

Imagem
A quantidade de mundos que abres com os olhos, que fechas com os braços. A quantidade de mundos que fechas com os olhos, que abres com os braços.

Alegria

Imagem
Jesper Just

Foi uma alegria de uma única vez, dessas que não são nunca mais iguais. Fui arrebatado pela claridade. Foi uma alegria como a manhã, que queimou de tanto se acender, rir, dilatar. Tu e eu. Foi uma alegria ao amanhecer, a mais pura de todas as verdades. Foi a primeira vez da alegria; as outras cairão como areia. Foi uma alegria para sempre dupla.

Água

Imagem
Somos água que se acaricia. Somos portas que se abrem e se fecham. Somos água que se remove, enrola, se entrelaça, viva.