Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2010

Ficamos

Imagem
A minha boca está seca, preciso das suas palavras onde o nosso peito de aroma solar se encontra, um espelho onde os meus olhos castanhos se reflectem. Preciso tanto disso como de a ter em mim, de a ser.

Após um dia

Imagem
Ele conduz para casa por entre árvores negras com um poema sobre ela que o irá tornar famoso, a começar pelos seus dedos. Deseja que o volante fosse o portátil onde escreve. Precisa de chegar ao cabelo dela, de lhe tocar. Quer muito ler o poema; atordoado, a performance nocturna deixou-o pálido como uma folha vazia, não apagável; arrastou a si todas as cores, todos os verbos húmidos, as histórias contadas, e tornou-as nos seus próprios sonhos – o seu surreal -, até as suas folhas e ramos se tornaram em verdes braços de uma criança.

Tempus fugit II

Imagem
Vemos as nuvens de verão chegar e partir, e o verde sedento. Ela sorri, mas os seus lábios estão dormentes – e passam os dias.
O que somos? Respiramos, sentimos, deixamos cedo demais as nossas pequenas órbitas e caímos: crianças de um destino cansado e todos somos estranhos sem-abrigo com desejos de tranquilidade – e passam os dias.

Peço apenas uma experiência profunda para beber e, no agridoce cocktail dos anos passados, encontrar o amor derramado com todos as suas lágrimas e sorrisos – enquanto os dias passam.

Tempus fugit I

Imagem
Ele não irá dizer que a sua vida foi em vão, a tranquilidade esconde-lhe o desconsolo; mas sabe bem que, nesta terra cansada, em redor de cada ilha de felicidade há um mar de dor – e passam os dias.

Observa as suas esperanças cintilando ao longe na noite, em tempos radiantes e iluminadas na sua juventude, que o orientaram através dos anos para um amanhecer real; mas deixa-as partir – e passam os dias.

A vida? (parte II)

Imagem
Se a morte deve terminar em conflito, respondi-lhe eu, essa vida miserável não pode ser vida. Pois quem poderia aguentar a escuridão sem um amanhecer? Essa tua vida é uma morte. Pedes aos santos, cujas faces artificialmente iluminadas te asseguram da sua grace interior; se ao menos eles podessem resolver as tuas questões e satisfazer os teus ansiosos desejos. Um brilho oleoso ilumina a tua fronte, enquanto te ajoelhas dizes: "'Esta vida para me encontrar com o Senhor.” Mas a palavra que ouves foi escrita pelos homens, é a verdade de uma igreja não de uma vida divina ou eterna; é a promessa por cumprir do triunfo da vida sobre a morte, feita a troco de pecados perdoados.

Deve haver morte tal como existir o erro (não o pecado alimentado pela santa igreja), viver é a minha religião. Eu sei que esta mortal casa de barro se irá um dia dissolver e acabar por desaparecer. Digo eu, assim vivo, luto pelo que acredito, o que sinto por quem amo é a minha graça terrestre: conquisto assim…

A vida?

Imagem
Perguntei a um homem de cabelo grisalho, de ar abatido e cicatrizado por marcas de luta: a vida? Ele suspirou, deixou cair a cabeça: "A busca do prazer, alguns poucos anos de alegrias e tristezas, uma corrida para alcançar luminosos amanhãs, uma chama trémula, um brilho transitório, uma flor condenada a uma rápida decadência – florescer e morrer. É o pouco espaço que almejamos entre o berço e a sepultura; então cansados, renunciamos a respiração e a vida é tragada pela morte."

Percebi então que o homem de cabelo grisalho não estava a falar da mesma vida que eu conheço.

Amadurece

Imagem
Craig Kauffmann

Comecei a escrever um livro sobre a vida. Escrever o livro tornou-se a minha vida. Comecei a escrever um livro sobre escrever um livro. Escrever sobre escrever um livro tornou-se a minha vida.

Entretanto, amadurecia a fruta no nosso jardim.

Algumas flores de porte variado

Imagem
Quem estará livre do arrependimento? Tê-lo-á afogado com a alegria de uma bebida gaseificada? Até o poderá fazer, mas cedo a borra tóxica tocará no lábio trémulo. Tem amigos. No entanto, o ultimo sol que viu a sua felicidade, viu também a presa que o irá trespassar.

Quem pode vangloriar-se de uma manhã cinzenta? Ao colher as flores, que não pense escapar ao seu espinho.

E tudo mais

Imagem
A vida? Ainda por nascer; cumprimentamos a luz com um sussurro, como se a manhã anunciasse uma tarde nebulosa; Chorar, dormir e chorar de novo entre sorrisos solares; e mais? E crescemos em ritmo acelerado, sorrimos adultos apesar das desgraças. Aumentados pela força do que se sente; orgulhosos ao olhar o outro; e mais?

E então, finalmente, completos; amamos apaixonadamente, ardemos; reunimos fortuna e pão; e mais?

A praia

Imagem
Somos atirados ao mar e presos à sua costa, somos náufragos pelos ventos que sopram. Ondas de pesar atacam o nosso navio e varrem o convés, desmontam mastros. A linha da costa está escondida pelos destroços de planos extraviados, de pessoas perdidas. Tacteamos a escuridão, adiante uma luz, regressa uma doce esperança, o sentir guia-nos até à praia.

O compasso

Imagem
As palavras que guardamos com o bater do coração, nunca são lançadas ao vento.

A história do sentir e contada ao homem em palavras incendiadas; fica por contar outra história, profunda demais para ser nomeada. Por detrás das palavras escritas, onde está a nossa força, lá em cima, onde o ar é éter, afiado gume, em baixo, na natureza profunda: o fluxo, o sempre fluir, o ritmo, o compasso, a vida.

Suspenção

Imagem
De toda a tua vida dá um momento! Toda a tua vida já desaparecida, tudo o que vem depois. Ignora, torna o presente perfeito. Condensa, arrebatado pela perfeição, pensamento e sentimento. Funde-te no momento que te dá finalmente ao outro, tu em torno dela, sobre ela. Apesar da certeza do tempo futuro, tempo que passa, este tic da tua vida é um momento em que a amas. Quanto tempo poderá manter-se suspenso?

O momento eterno, apenas isso e nada mais, quando o extâse nos ultrapassa o núcleo, enquanto queimam as faces, se abrem os braços, fecham os olhos e encontram-se os lábios.

Nada é mais nosso

Imagem
Nunca é o mesmo crepúsculo púrpura; nunca é o mesmo dia quente de verão. A tua vida deve sabê-lo. Nunca mais as mesmas ilusões que chegam sozinhas à juventude; nunca por acaso belos ideais de amor e verdade.

Nunca o mesmo momento transcendente para elevar com palavras amáveis ou actos generosos, ou o sorriso, o coração do mortal agitado pelo sentir. Nunca o mesmo inspirado empenho com o qual nos completamos; nunca a mesma grande viagem a que chamamos vida.

Nunca o mesmo extâse de amar o humano: aproveito por tudo isto o presente contigo, com todos os seus (nossos) irrepetíveis momentos – nada é mais nosso.

Coisas em comum

Imagem
As coisas comuns da vida - o ar, o sol, a chuva; elas vão e vêm sem nos solicitar consentimento. Elas vão, e regressam uma outra vez. E o que guardamos entre mãos, o que não se pode comprar, ultrapassa-nos o corpo. É nosso o que se sente e o prazer de o sentir.

As coisas especiais do viver, temos o enorme previlégio de as ter.

Tia amada mãe

Imagem
Desapareceu na madrugada de domingo uma mãe a quem a lei designou de tia. Mas a lei é isenta de amor; a lei não ama como ela amou os seus filhos, e a lei não retribui com o amor que estes lhe deram.

Desapareceu assim uma tia sentida mãe, uma tia amada mãe.

From Her to Eternity

Imagem
Um fluxo desce ruidosamente para um mar escondido que dorme sem lua, sem estrelas, sem limites, de onde não vem voz, nem forma, nem qualquer som: ao fluxo chamo viver, ao mar - Eternidade.

Ao ficar

Imagem
Chegou de onde? Fugiu como? Invisível, como esquadrões de éter que seguem um sonho. Chegou suavemente, de corpo basculante, vazio de asas. Ao ficar, cresceram.