O beijo VI



Eu vim de ti. A tentadora maçã que vira a sua face para mim. Toda a natureza desde o primeiro raio a beijar o orvalho, a beleza da primeira aurora, quando as palavras são ditas e acorda o sentir. O rio ainda dorme sob um véu nocturno de neblina; arrasta-se suavemente, ergue o véu e deixa-a beijada.

Beijas a terra e sorris, acariciando vale e montanha; com mais ardor enquanto o sol te beija a outra face e segue para oeste. Estás agora sobre a montanha de vapor vestida.

Comentários

Maria disse…
Amo-te muito, meu amor, e tanto
que, ao ter-te, amo-te mais, e mais ainda
depois de ter-te, meu amor. Não finda
com o próprio amor o amor do teu encanto.

[Jorge de Sena]

Amo-te muito.
Tudo,
Damien disse…
Húmido de beijos e de lágrimas,
ardor da terra com sabor a mar,
o teu corpo perdia-se no meu.

Vontade de ser barco ou de cantar.

[Eugénio de Andrade]

Amo-te muito.
E tudo mais,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro