O Homem-montra I


Jason Blanger - Figure nr.23

Andava nu em casa e deixou novamente a janela aberta, para ser arrefecida pela inutilidade desse gesto auto-indulgente, essa amarga conjectura dele próprio (na sua opinião, as pessoas conheciam-no bem demais), e iriam rir-se dele mais tarde. Para as pessoas, a sua indisponibilidade seria sempre justificada.

Comentários

Maria disse…
"No meio da multidão viam-se muitos loucos... Um deles estava encostado a um poste da luz como se à espera de alguém.
«Quem és tu?», perguntou-me num inglês perfeito quando passei junto dele.
«E tu que és?», foi a resposta espontânea que me saiu."

Tiziano Terzani

A plenitude, contigo.
Tudo,
Damien disse…
Bendito seja eu por tudo o que não sei
gozo tudo isso como quem sabe que há o sol

[Fernando Pessoa]

E tudo mais, contigo.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro