Dito



Diz o que sentes, outra e uma vez mais. Não tenhas medo, nunca me irei cansar de ouvir as palavras. Esperava há muito por esta reverbação; um som pulsante, primordial, sobre quem aguarda. Cresce o sentir, enquanto caminhamos ou dormimos, em prazer ou dor. Inunda cavernas íngremes, sobre resídous arenosos quentes até às rochas empoleiradas. Até o planeta renascido nos acolhe.

Comentários

Maria disse…
nem a espada
nem o touro
nem o medo:
a fonte está lá e
segreda-lhe ao ouvido
que ela é eterna,
que o seu ser possui
a nascente,
a sua sede, a sua perenidade...

Gérard de Cortanze

Amo-te e digo-te,
Damien disse…
É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

[Eugénio de Andrade]

Amo-te e digo-te,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro