a cadeira vazia



Olho para a tua cadeira, olho para o vazio dentro de ti. Não estás. Já não me fazes rir. Como aconteceu? Nenhuma resposta irá surgir. Porque mudaste? Visito-te e tenho que ir; vejo o teu corpo, mas não és tu. E ninguém percebe isso, pensam que ainda estás vivo. Tento sorrir apesar das lágrimas que caem.

Comentários

MJ disse…
Os homens não se medem pelos poemas que leram, mas talvez fosse melhor. O que é a fita métrica comparada com algo intenso? Há poemas que explicam trinta graus de uma vida e poemas que são um ofício de demolição completa: o edifício é trocado por outro, como se um edifício fosse uma camisa. Muda de vida ou, claro, muda de poema.

Gonçalo M. Tavares
Damien disse…
Como se mede um homem, um amor, um bater de coração, um beijo, uma chama? Como se mede uma vida?

A nossa vida: o nosso poema.
MJ disse…
A Faca Não Corta o Fogo

é apenas um dos nossos poemas numa vida plena em que "Um e Um são Dois / Dois podem ser Um só cristal perfeito"

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro