Corre



A correr, a correr, não há mais nada a fazer, depressa, depressa, estou tão quente mas não posso parar, mais depressa, estou a fugir do meu passado, fujo, tento deixar os medos para trás, paro e estou só. E agora?

Comentários

MJ disse…
Havia um homem que corria pelo orvalho dentro...
De dia. De noite.
...
Havia um homem que ia admiravelmente perseguido.
Corria.
- como no meio do orvalho o amor é total.
...
Dentro dele batiam as portas, e ele corria
pelas portas dentro, de dia, de noite.
...
Como em alegria, batia nos olhos das ervas
que fixam estas coisas puras.
Renascia.

Herberto Helder

abraço-te,
Damien disse…
Havia um homem que caminhava, devagar, apanhando as pedras pelo caminho...

Abraço-te,
Someone... disse…
Expose yourself to your deepest fear; after that, fear has no power, and the fear of freedom shrinks and vanishes. You are free.
(Jim Morrison)
Damien disse…
Sim, exponho-me aos meus medos. É uma consequência da minha liberdade.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro