Anoiteces



Sempre estiveste ao meu lado, iluminando-me os piores momentos; desde pequeno que foste um mistério para mim, um consolo em noites desesperadas; no meio do bosque, nos lugares mais assustadores, no mar; ali estavas tu. Olhava-te, no teu rosto uma expressão de dor, de amargura. E agora, subitamente, lua, desfazes-te em pedaços. Fico, só. És de noite.

Comentários

Anónimo disse…
Faz-se luz pelo processo
de eliminação de sombras
Ora as sombras existem
as sombras têm exaustiva vida própria
não dum e doutro lado da luz mas no próprio seio dela
intensamente amantes loucamente amadas
e espalham pelo chão braços de luz cinzenta
que se introduzem pelo bico nos olhos do homem.

[Mário Cesariny]

Subitamente, entre sombras, fez-se luz. Amanheceu, e desfiz-me em pedaços...

Tudo,
Damien disse…
Por outro lado a sombra dita a luz
não ilumina realmente os objectos
os objectos vivem às escuras
numa perpétua aurora surrealista
com a qual não podemos contactar
senão como amantes
de olhos fechados
e lâmpadas nos dedos e na boca

(Mário Cesariny)

A chama dupla, a luz que queima

Tudo,
Anónimo disse…
A Chama Dupla...

Toda,

Mensagens populares deste blogue

Verdade

Limpeza

Lua em branco