Elemento



Acende-se o dia entre duas noites: do relógio ao minuto, luz que se levanta. Nada persiste contra o andar do dia. Do seu nome surgem ilhas. Enquanto avança, devora-se. E quando toca a fronteira em chamas começa a calcinar-se.

É meia-noite. A única luz é a do relâmpago. Ouço o vento em fuga. Tudo me interroga. Mas nada responde. Atrás o tempo luta com o céu. Tudo acaba e tudo começa.

Comentários

Maria disse…
...
de novo recomeça. Mas quem há-de
contrariá-la? Eu não, que não me iludo:
Viver é isto, quando Se É Só Vida.
[Jorge de Sena]

Ousar Ser.

Tudo,
Damien disse…
Um ponto
eu pensei que fosse o fim de tudo.
Depois do hiato,
vi romper a intercalação do desejo,
essa vírgula e a surpresa.
Você me beijou
ficou no ar aquela imensa interrogação,
efeito da linguística
Apenas começavamos um novo parágrafo
mas eu não sabia,
imaginei coisas tolas sobre a língua.

(Adriana Lustosa)

Tudo,

Mensagens populares deste blogue

Verdade

Limpeza

Lua em branco