Perante si




As trajectórias que se dispersam no céu, a sombra que se arrasta, mas não é de noite aqui. As árvores adormeceram, alguém passa e parece chamá-lo. Não se ouviria no ar em que os pássaros se escondem e os nomes se apagam no tempo. E ele, apenas ele, fica de braços levantados à espera de algo, não se sabe o quê.

Comentários

Maria disse…
Basta que te dispas até te doeres todo,
Retoma-te no tocado, no aceso,
e fica cego e,
por memória do tacto, defaz os nós,
muitos, muito
atados uns nos outros,
e que inteiramente te alcance o ar,

depois de te haver abraçado de alto a baixo...

[in, A Faca Não Corta o Fogo]

Tudo,
Damien disse…
Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

(Alexandre O'Neill)

Abraçou-a forte. “Nunca mais adiarei abraços até à hora de partir.”

(Fernando M.)

Tudo,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro