Uma e muitas vezes



Como um desvio do cérebro, separado das antessalas limpas e ordenadas da mente por uma cortina que apenas se abre de quando em vez.

Compreendi tudo; compreendi-te, compreendi a música, ouvi o teu riso; sabia que tinha no bolso vinte mil figuras de uma vida. Tenho o propósito de iniciar uma nova, de amar os seus acidentes, de estremecer e amanhecer uma e muitas vezes.

Comentários

Maria disse…
...
com ombros de champanhe
com punhos de fósforos
com dedos de acaso
com braços de espuma do mar
com pernas de foguetes
com movimentos de relojoaria e de desespero
com pés de iniciais
com pescoço de cevada por polir
com seios de noite
com dorso de ave que foge vertical
com dorso de viva prata
com dorso de luz
com nuca de pedra rolada e de giz molhado

com sexo de gladíolo
com sexo de aluvião de ouro
com sexo de alga e de rebuçados antigos
com sexo de espelho
com olhos cheios de lágrimas
com olhos de panóplia violeta e de agulha magnética
com olhos de água para beber na prisão
com olhos de nível de água de nível de ar de terra e de fogo

[A.Breton]

Tudo, uma e muitas vezes.
Contigo,
Damien disse…
Tudo e ainda mais vezes que só muitas é pouco.
Contigo,
io disse…
good morning, my dear friends! Estou convosco: não há melhor prenúncio de felicidade do que se sentir que estamos a começar de novo e em vez de, em solidão, contarmos connosco, passarmos a contar com o outro num maravilhoso e expresso "estou a contar contigo": como um belíssimo e aromático café matinal! beijos e abraços e saudadinhas mil
Damien disse…
Bom dia e bem regressada, dear io!
O Antimatter já aguardava há algum tempo que um expresso bem tirado te (nos) trouxesse.

Beijos e abraços,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro