Nota XIV



Lembro-me de noites manchadas a vinho, desfocadas, de dançar apertado, de olhos fechados, numa pista lotada, dançar, deixar o corpo ir, trocar olhares perto da hora de fechar, a suar sob luzes vermelhas e azuis.

Vamos fazer uma pausa e lembrar.

Comentários

Maria disse…
Iremos dançar muitas vezes. Logo na primeira noite, como prelúdio. I promise. Que saudades das tuas meias pretas! E dos teus olhos! E do teu longo longo pescoço! E dos teus ombros! E da tua carne branca. Apetece-me morder-te, varar-te, morder-te.

A.Lobo Antunes in, D'este viver aqui neste papel descrito (onde se pode ler no prefácio: "Este é o livro do amor entre duas pessoas invulgares em tudo, que em parte vos damos a conhecer nestas cartas.")

És,
todos os dias assim...
Damien disse…
Numa noite de luar, ainda que não seja cheia
sob a clara luz das estrelas
eu dançarei para ti e beijarei tua boca
com toque de pedra rara,
incendiando o teu ser
e a noite de lua e prata.

[Angela Santos]

Sim, somos assim...

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro