Sede



Eu vivi na doce espera da sorte. Compreendi que a sede que nasce a cada momento de prazer, se antecipa a este, da mesma maneira que existem respostas prontas para qualquer pergunta. Fui feliz quando o teu estado aquático me revelou que tinha sede, e quando em pleno deserto (onde a sede não se pode saciar), preferi, apesar de todo, a força febril que me inspirava o teu calor. Na extensão de areia golpeada pelo sol e adormecida - o calor era tanto que vibrava o ar - senti o pulso da vida, uma vida que não podia dormir e plena deste nosso amar. Procuramos dia a dia, minuto a minuto, esta maneira pura de penetrar a natureza.

Comentários

Maria disse…
...e tu dentro de mim
vais descobrindo...
que para além de tudo,
sou também isto.

Assim e assim...
Tudo,
Damien disse…
desperta-me
de noite
o teu desejo
na vaga dos teus dedos
com que vergas
o sono em que me deito

é rede a tua língua
em sua teia
é vicio as palavras
com que falas

a trégua
a entrega
o disfarce

e lembras os meus ombros
docemente
na dobra do lençol que desfazes

desperta-me de noite
com o teu corpo
tiras-me do sono
onde resvalo

[Maria Teresa Horta]

Desperta-me.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro