Água



Apenas o teu sentir e a água... Outubro, a lua ia subindo. Eu seguia perdido em mares de desejo. O rio calava-se ao passar por nós, e o ar apenas se atrevia a mover-se por entre folhas de plátanos. Apenas se ouvia o fugaz encontro que quer fazer-se eterno dos meus lábios a beber vida nos teus. A noite enchia-se de aromas nossos e, enquanto um bater de coração repousava entre mãos, como o aproximar de um beijo murmurava o rio: apenas o teu sentir e a água.

Comentários

Maria disse…
Tenho em mim
que havemos sempre de viver
juntos um com o outro
que havemos de selar os nossos destinos
na terra, na água, no ar e no fogo

no fogo que irradias
e que a água vem apagar e não apaga
no ar que nos consome e que nós respiramos
os dois juntos

[A.Gancho]

Assim, sabes?!...
Tudo, muito.
Damien disse…
Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuido pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor,
e na secura nossa amar a água implícita,
e o beijo tácito, e a sede infinita.

[C.D.de Andrade]

Sim, sei, sinto.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro