Regresso #2



Tens-me em ti de novo. Aqui vejo vida, faço-me chama nesta fogueira entre mãos, sinto que sou um homem mais entre os homens. O amanhecer deixa a noite despida e livre, vai-se o frio, presentem-se sons ao longe, aquecemos, murmuramos calor, aqui estou aqui de novo e é imenso o desejo que sinto, quanta fortuna e esperança partilhada.

Comentários

Maria disse…
substituo por palavras: por estas palavras,
um minúsculo círculo do corpo...

sobe depressa à tona de água, e nós,
atentos, respiramos ao fundo.

agora a tua boca mesma dissolveu-se
nos frágeis, só aparentemente frágeis
ramos ao lume...

*

Ao lume lanço
toda a vontade de viver, ser vivo,
a cautela do ar, ardendo em torno.
Passarei, terás passado em mim, só quero
dizer-te: não morras nunca,
agora, nunca mais.

*

Vamos cair num poço, sem
bússola e pára-quedas, vamos ser o primeiro
amor a dois no mundo.

[A. Franco Alexandre]

Tudo muito e cada vez mais.
Contigo,
Damien disse…
Conheço o sal da tua boca, o sal
da tua língua, o sal de teus mamilos,
e o da cintura se encurvando de ancas.

A todo o sal conheço que é só teu,
ou é de mim em ti, ou é de ti em mim,
um cristalino pó de amantes enlaçados.

[Jorge de Sena]

Enlaçado, todo e cada vez mais.
Contigo,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro