Queixume II



Bem sei que por vezes há motivos de lágrimas e necessidade de chuva, mas perderá a terra beleza por ela? Eu sei que as sombras andam frequentemente à deriva entre nós e a luz e também as nuvens muitas vezes escondem o sol, mas brilha menos por tal?

Este mundo não é um deserto, e o homem não é um escravo de tempestades de incessante arrependimento. Não temos tempo para queixume; a vida não é um acontecimento solene, aqueles que fazem a vénia não são os mesmos que vivem.

Comentários

Maria disse…
O medo da solidão e da morte são a própria essência do deserto. O medo de nos perdermos. O medo de todas as verdades. O medo de sermos engolidos. (...) Só quando o medo de estar a sós com o mais fundo de ti mesmo desaparece, só quando tocas esse fundo do deserto, só então sentes o valor de querer viver, sabes que a paixão é motor da vida e prova do medo. Como o deserto. Como tu tens sido para mim. E agora sei deste lugar que amarmos acima do medo nos faz parecer insconcientemente leves. O medo é bom para nos lembrar que é preciso um chão para segurar a paixão."

[Carlos Quiroga in, Espero por ti na Abissínia]

E faço minhas as tuas palavras.
E estou contigo,
Damien disse…
Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei

[Sophia de Mello Breyner]

Atravesso contigo.
E sou contigo,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro