Sobre o existir II



É a vida perversa, quando qualquer acto é uma coisa que não morre? E os nossos pensamentos, rápidos como luz; voam no mundo? Até o nosso lento bater de coração, mensurado, provoca o latejar de outros, e as lágrimas deixadas cair despertam um soluçar ecoado.

Não escrevemos na areia, mas num livro firme do sentir dos outros.

Comentários

Maria disse…
Embora o homem não preste atenção ao incessante soar do seu coração, é por ele sustentado no alto, a um certo nível. Bastar-lhe-ia ficar sem este pulsar sonoro para murgulhar numa escuridão, para sentir-se mais estranho, mais sem albergue, como privado de uma certa dimensão, ou de uma chama que por si mesma cria a possibilidade da sua existência.

[Maria Zambrano]

A vida contigo.
Tua,
Damien disse…
Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.

[S.M.Breyner]

Por mim, contigo.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro