Ela mar II



As estrelas escondem-se entre escuridão e neblina, a lua e o sol estão mortos, ela beijou-me o corpo sobre a cama. Nenhuma luz brilha assim esta noite – a menos que ela seja a luz. Tão silenciosa. Ela ama as sombras, e tem-me no seu peito. Nenhuma canção se ouve esta noite – apenas a sua voz.

O mar ruge em redor da casa, nada a temer. Ela diz o meu nome e abraça-me. É ela o meu mar.

Comentários

Maria disse…
eras o primeiro dia inteiro e puro
banhando os horizontes de louvor
eras o espírito a falar em cada linha

eras o gesto luminoso de dois braços
abertos sem limite
eras a pureza e a força do mar
eras o conhecimento pelo amor.

[Sophia M. B. A.]

És.
E eu contigo,
Damien disse…
Um beijo em lábios é que se demora
e tremem no abrir-se a dentes línguas
tão penetrantes quanto línguas podem.
Mais beijo é mais. É boca aberta hiante
para de encher-se ao que se mova nela.
É dentes se apertando delicados.
É língua que na boca se agitando
irá de um corpo inteiro descobrir o gosto
e sobretudo o que se oculta em sombras
e nos recantos em cabelos vive.
É beijo tudo o que de lábios seja
quanto de lábios se deseja.

[Jorge de Sena]

Contigo, tudo o que desejo.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro