O saber



O sabor de ser amado, apesar do suspirar na ausência acordado, apesar do por vezes entristecer, pelo sentir. A música feita nossa, banda sonora em tempo real cantada em ambos os lábios, em olhares que se trocam e espreitam e amam e vivem.

Comentários

Maria disse…
Como a luz entre os dedos deslizam
Como tu própria entre as minhas mãos
Como tuas mãos entre as minhas se entrelaçam
Um dia que começa em minhas palavras
Luz que amadurece até se tornar corpo
Até ser sombra de teu corpo luz de tua sombra
Rede de calor pele de tua luz
Um dia que começa em tua boca
O dia que se perde em nossos olhos
O dia que se abre em nossa noite

Os dedos da música
As garras da música
A hera de fogo da música
Cobre os corpos cobre as almas
Corpos tatuados por ardentes sons

Chegou a música e arrancou-nos os olhos
(Não vimos senão o relâmpago...)

Chegou a música e arrancou-nos a língua
A hiante boca da música devorou os corpos

Incendiou-se o mundo

[O. Paz]

Contigo.
Assim, tudo.
Damien disse…
E em duas bocas uma língua..., - unidos,
Nós trocaremos beijos e gemidos,
Sentindo o nosso sangue misturar-se.

Depois... - abre os teus olhos, minha amada!
Enterra-os bem nos meus; não digas nada...
Deixa a Vida exprimir-se sem disfarce!

[J. Régio]

Toda a Vida, contigo.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro