A constante leveza de ser



Aqui neste quarto ainda dormes, e eu na penunbra acordado ao teu lado, observo o amanhecer e sinto a manhã como nossa. Dormes como uma criança, mais uma razão para te amar entre outras tantas; amar-te-ia em qualquer parte, chego a ti na condição de quem o sente e afortunado por o sentir.

A tranquilidade nos teus olhos, o teu sorriso de criança, o prazer da surpresa, a tua paciência: a minha constante leveza de ser.

Comentários

Maria disse…
O mover
dos dedos move o mundo

a leveza da mão desequilibra a chama,
a atmosfera dá-lhe
tanta potência. Se te
toco, disse.

quando lhe tocava
o nome do mundo crescia tanto.

[Herberto Helder]

Amar-te-ia em qualquer lugar...
Tua,
Damien disse…
Nem as espranças do céu
me conseguem demover
Este amor é teu e meu:
só na terra o queremos ter.

[David Mourão-Ferreira]

Contigo liberto.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro