Este mesmo III


Nan Goldin

Há um amor cego à razão for a do controlo da natureza – um sentir que ocupa a mente e nos preenche o ser. Há um sentir que te diz pela sua própria luminosidade o que as palavras não conseguem expressar. Há um sentir de serena calma, o iniciar da felicidade, um bálsamo quem cura a cada beijo dedicado.

Comentários

Maria disse…
Há uma roda de dedos no ar.
A língua flamejante.
Noite, uma inextinguível
inexprimível
noite. Uma noite máxima pelo pensamento.
Pela voz entre as águas tão verdes do sono.
Antiguidade que se transfigura, ladeada
por gestos ocupados no lume.

[Herberto Helder]

Assim mesmo, contigo.
Beijo-te,
Damien disse…
Nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.

[Pablo Neruda]

Assim mesmo.
Contigo,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro