Sopro


Edward Weston

Parecias fundir-te no soprar do vento, um templo azul-escuro do céu. Curvas-te quando me aproximo, distorcendo a imagem. Eu passo, erges a cabeça e sopras-me um sorriso. Apanhou-o entre os lábios e sopro de volta. E naquele momento sentido, apesar de permaneceres imóvel, caminhamos.

Comentários

Maria disse…
É muito tarde para não te amar.
Tudo o que ouço é o sopro do teu nome.
O que sinto é teu corpo, que consome
— presente, ausente — o meu corpo.

[Miguel Jorge]

Assim, contigo.
Beijo-te,
Damien disse…
Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

[C.D.de Andrade]

E são precisas razões?
Beijo-te,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro