A não razoabilidade de se deixar estar II


C. Searl

"Mantém-te longe das rochas, elas iludem os estranhos." Ele respondeu, "Uma trégua as factos estúpidos, eu antes prefiro o perigo. A corrente é suave, o céu está limpo, porque vens tu medir as profundezas cristalinas através das quais rumo para um mar sem limite?”

"Eu antes prefiro a rebentação do que ancorar fora destas rochas de xisto a ouvir-te moralizar." Assim, segue as fortes correntes, acenou à razão, para onde essas águas luminosas o levam assobiando sobre rochas.

Comentários

Maria disse…
"O amor é a única coisa que imprime sentido aos nossos pobres
caminhos neste mundo; esta afirmação não é - receio-o bem - uma descoberta minha. Vais pensar que estou doido, mas é assim...

Às vezes parece que ouço uma voz dizer-me assim: «Ergue os teus olhos para as colinas»."

Malcom Lowry in, Debaixo do Vulcão


Contigo.
Tudo,
Damien disse…
Mais do que um sonho: comoção!
Sinto-me tonto, enternecido,
quando, de noite, as minhas mãos
são o teu único vestido.

E recompões com essa veste,
que eu, sem saber, tinha tecido,
todo o pudor que desfizeste
como uma teia sem sentido;
todo o pudor que desfizeste
a meu pedido.

[David Mourão-Ferreira]

E tudo mais contigo.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro