Lanterna



Porque a estrada era íngreme e por uma terra escura e solitária, colocaram-me uma lanterna nas mãos. Por quilómetros em quilómetros cansados da noite que se alongavam no meu caminho, a minha lanterna de luz serena, um dia inesgotável.

Uma luz dourada, uma luz como vinho.

Comentários

Maria disse…
Sustentai-me com passas de uva reanimai-me com maçãs
que desfaleço de amor
A tua mão esquerda sob a minha cabeça
A tua mão direita nos meus seios

Sela-me o coração
com a tua mão
porque o amor é forte como a morte
e inextinguível o seu fogo

As muitas águas não poderão apagá-lo
nem submergi-lo os rios...

[Israel, séc.? a.C. in, O Vinho e as rosas]

Assim mesmo.
Contigo,
Damien disse…
Eu pronuncio teu nome
nas noites escuras,
quando vêm os astros
beber na lua
e dormem nas ramagens
das frondes ocultas.

[Garcia Lorca]

Assim mesmo.
Contigo,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro