O Homem-montra II



Ela irá dizer-lhe, "Não é que tenha mentido." E ele tornar-se defensivo (o que pode ser ofensivo), a detalhar os seus argumentos, olhos penetrantes como chaves de fendas.

E indefeso de novo, ri-se sobre si mesmo, claro que perdoa, perdoado por quem tem ofendido (é ela afinal), e ela é sobretudo o seu todo. Fica satisfeito com o facto de ela o querer de novo, algum dia, talvez em breve.

Comentários

Maria disse…
"Quando observo os outros, considero-os como espelhos que me devolvem a minha própria imagem e esta observação depende inteiramente do meu estado de espírito no momento. Mesmo quando olho para uma mulher, procuro captá-la com os meus próprios sentidos, imagino-a com a minha própria experiência antes de formular um juizo. De facto, a minha compreensão de outrem, inclusive das mulheres, é superficial e arbitrária. No meu olhar, as mulheres não são mais que ilusões que eu próprio criei e que utilizo para me mistificar. É isso que me entristece. É por isso que as minhas relações com as mulheres acabam sempre por conduzir ao fracasso."

Gao Xingjian in, A Montanha da Alma

Infelizmente ainda há quem insista em viver assim, em pleno 'sistema geocêntrico', apesar de há muito se ter descoberto o seu contrário, a esplenderosa aventura que é a de viver fora de si, por estar mais além de si mesmo!
Beijo-te,
Damien disse…
Esperar? Que tenho eu que espere? O dia não me promete mais que o dia, e eu sei que ele tem decurso e fim. A luz anima-me mas não me melhora, pois sairei daqui como para aqui vim – mais velho em horas, mais alegre uma sensação, mais triste um pensamento.

[Bernardo Soares]

São opções de vida, mas não a nossa.
Beijo-te,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro