Blue Valentine II



Iria fazê-la sentir, que ela pudesse desejar, o desejo. Para ela a beleza era uma vela gasta e a esperança uma ave cega, a amizade um curioso mito e o amor uma folha em branco, sem qualquer tipo de significado nem qualquer realidade.

Apenas o cansaço era seu: gostaria de fazê-la sentir, e que ela o pudesse possuir, o desejo.

Comentários

Maria disse…
Esta é a utilidade da memória:
Libertação – não diminuição do amor mas crescimento
Do amor para além do desejo, e assim libertação
Do futuro e do passado.

Thomas Stearns Eliot

«Era uma vez» e portanto será, contigo.
Tudo,
Damien disse…
Foi para ti que criei as rosas.
Foi para ti que lhes dei perfume.
Para ti rasguei ribeiros
e dei ás romãs a cor do lume.

[Eugénio de Andrade]

Sou para ti.
Tudo,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro