O suicida IV



Ele, desde cedo, era dado ao silêncio e ao exercício da melancolia; os olhos pensativos raramente ficavam pela superfície, e sentia tudo com a paixão do entusiasta: um raro sentir, imutável até que a morte o extinga. Tantas vezes percorreram à noite o monte solitário, quando a lua saia do seu quarto de nuvens e seguia viagem.

Comentários

Maria disse…
"«Inacreditável. Eu, o Outro de mim, em viagem de passos perdidos e a interrogar-me se não estaria a caminhar para a loucura. E o caso é que, desconcertante ou não, a pergunta aconteceu. E para maior surpresa, não a esqueci."

José Cardoso Pires in, De Profundis, Valsa Lenta

Beijo-te,
Damien disse…
"Quem ainda está vivo não diga: nunca
O que é seguro não é seguro
As coisas não continuarão a ser como são
Depois de falarem os dominantes
Falarão os dominados
Quem pois ousa dizer: nunca"

[Bertold Brecht]

E sempre.
Beijo-te,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro