Ela morreu I



Ela morreu. E então a morte chegou à mulher.

Dizem agora que ela habita um lugar no céu. Mas o céu é longe demais, vasto demais, um espaço e um tempo alongado para lá do nosso alcance onde coexiste o vazio, a profundidade, o insondável infinito.

Comentários

Maria disse…
"morreste-me. Mas a memória guarda-me o teu cheiro, as tuas mãos e o teu sorriso. Olho ao espelho e vejo o teu nariz.

Estás em nós e eu estou em ti. Eu jamais seria eu sem a tua presença constante na minha vida. Comparência que eu gostaria de poder prolongar.

Mantenho a memória acesa com pedaços de imagens que me fazem sorrir.

Com o teu corpo, apenas enterrei os últimos momentos agonizantes que passaste na cama fria e distante do hospital.

No hospital, nos momentos mais lúcidos, perguntavas-nos:«amanhã estarei melhor?». E eu sem te poder responder, com uma espinho cravado na garganta e a boca seca. Sempre temeste a morte e agora ela levou-te sem dó nem complacência.

Só a Ti não te vejo mais, nem às tuas expressões faciais de espanto, surpresa e curiosidade.

Tenho saudades do tempo que não passamos juntos e que eu gostaria de ter passado contigo.

Não acreditavas que o Homem foi à Lua. Agora chegaste finalmente lá."

José Luís Peixoto

Abraço-te e assim fico..
Amo-te,
Damien disse…
"Devia morrer-se de outra maneira.
Transformarmo-nos em fumo, por exemplo.
Ou em nuvens." [J.G.Ferreira]

Beijo-te,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro