Desdém



Desdenhando as formas decentes, cresce, ergue-se fortalecido, apressa-se. A vertigem de cada ravina acelera-lhe o passo, inegável, inflexível, acomodando em si a viagem. Nem a imobilidade da rocha impede a sua passage ordeira, aqui rapidamente, ali lentamente; liberta em cada gota de suor as toxinas da angústia. Dirigido única e exclusivamente pela sua vontade, mergulha de cabeça numa demanda para satisfazer o insaciável desejo de um oceano.

Comentários

Maria disse…
deixa a árvore das cassiopeias cobrir-te
e as loucas aveias que o ácido enferrujou
erguerem-se na vertigem do voo - deixa
que o outono traga os pássaros e as abelhas
para pernoitarem na doçura
do teu breve coração - ouve-me

Al Berto

E beijo-te,
Damien disse…
"Eu vi a terra limpa no teu rosto,
Só no teu rosto e nunca em mais nenhum"

[Eugénio de Andrade]

Beijo-te, Maria.

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro