Linguagem de corpo presente

Foto: Maria T
Nunca vi esse corpo apesar de o ter tocado, as suas coberturas, sapatos, roupa interior. Esse corpo que mantém a promessa de não se abster, de modificar o seu comportamento, de parar o veneno. Mais insecto que animal. Esse corpo que quer sofrer, preso numa jaula de costelas, numa grelha de arame farpado que liga dente a dente com apenas o espaço necessário para respirar pois a humilhação pode tornar-se num objecto de desejo. Esse corpo que exigiu a minha lealdade, que me ensinou a tremer, que aprendi de cor a sua topografia de carne marcada, cada osso fracturado, cada lágrima de pele meio-curada.

Comentários

Maria disse…
De novo o corpo dela sobressai
no meio das rochas e, mais tarde,
ao fundo da praia, o seu vulto
assemelha-se a uma árvore nua.

«Sou eu que caminho para ti»,
diz a mulher.

Jaime Rocha

Beijo-te,
Damien Hamson disse…
Fazias parte da montanha, igual às suas plantas, árvores, rochas, pedras... Deixei-me ficar junto a ti, protegido por um poderoso silêncio. Senti que vibravas com a mesma pulsação da terra.

Beijo-te,

Mensagens populares deste blogue

Verdade

Limpeza

Aqui mesmo