Avenida de Madrid



Sol; o céu de primavera é de luz e pequenas nuvens brancas. A avenida curva-se sobre uma mulher de pele dourada... o vento brinca com o seu casaco verde lima. Há carícias nesta manhã luminosa; na carne perfumada.

Um cenário com árvores, com aromas perfeitos, com a doçura das línguas!

Comentários

Maria disse…
Nesta casa, um vale encheu a parede; e
nesta parede, cresceram árvores, o campo
tornou-se verde, e um rio avançou
por entre margens frescas, onde
me sentei contigo.

Nas casas à beira do lago, pode
pensar-se que o tempo não passa. A água reflecte
o céu parado do verão, e um grasnar
de aves ecoa até à outra margem, como se
o mundo não existisse para além das árvores
e das casas.

Nas casas à beira do lago, contam-se
os dias que faltam para que a água se encrespe,
com o vento do outono, e não se abrem as portas
para que as sombras não fujam para os campos,
deixando sem sombra
quem vive nas casas à beira do lago.

e

quando a manhã futura
entrar na tua vida, e as tuas mãos
tocarem o murmúrio transparente
da primavera, jorrando como água
dos lábios que se aproximam
dos teus, e os acordam
para o amor.

[N.Júdice]

A mulher inclina-se...
Contigo,
Damien disse…
Eu crescia
por dentro, crescia por fora
ante o espanto e a espera.
e os meus olhos cresciam,
assustados cresciam
e dentro deles um sonho,
mundos
outros.

O meu corpo eternizava
o crepúsculo da Primavera
os cheiros as cores
Maio nos sentidos perpetuado.

[Angela Santos]

Crescemos, juntos, em mundos reais.
E ainda mais,

Mensagens populares deste blogue

Lua em branco

Deslamento

Quatro