A fonte


The Fountain, Darren Aronovsky

Tens um sorriso de rara luminosidade, a beleza é um palácio a que chamas casa. Somos pobres em riqueza terrena, ricos em sentir; e quem assim se sente é rico em tudo. O centro do Oceano – espesso. O centro do Céu, com enxames de palavras – o espólio do velho mundo e a obscuridade dos diamantes, a dimensão de noites estelares.

Rico é quem dá santuário a esta imortal forma de sentir.

Comentários

Maria disse…
Deitados lado a lado, envoltos nas fadigas do dia.
Paisagem fresca e calma onde passam histórias irrealizáveis, o sono
repousava sobre nós.
Nenhuma espada precisava de nos separar.
Um peso delicioso, pesando na minha perna, despertou-me.
Reconheci o teu pé.

Soube então, por um homem e uma mulher que se conhecem, o que era estar deitado lado a lado.

A única mulher com quem teria podido envelhecer era a Fernanda; a idade não seria capaz de empobrecer a nossa riqueza comum.

Compreendo agora o que uma tal fonte tinha de inesgotável, de constante, como uma abundância que nunca enfraquecia. Assim é o amor sobre o qual o tempo não faz mais do que avivá-lo: as suas raízes estendem-se até não deixar nada que não abracem.

O amor é o único mito de pura exaltação que a humanidade conheceu.
O único que parte do coração do desejo e visa a sua satisfação total.
O único grito de angústia capaz de se metamorfosear em canto de alegria. Com o amor, o maravilhoso perde o carácter sobrenatural, extraterrestre ou celeste que possui em todos os mitos, regressando de algum modo à sua origem para se inscrever nos limites da existência humana.
Dando corpo às aspirações do indivíduo, o amor oferece uma vida de transmutação que culmina no acordo da carne e do espírito, tendente a fundi-los numa unidade superior. O desejo, no amor, longe de perder de vista o ser de carne que lhe deu origem, sublima o seu objecto numa espécie de sexualização do universo que restabelece no homem uma coesão anteriormente existente.

O amor não admite a menor restrição: tudo ou nada, sendo o tudo a vida e o nada a morte.

Ernesto Sampaio in, Fernanda

Assim é.
Amo-te,
Damien disse…
"Trabalho o poema sobre uma hipótese: o amor
que se despeja no copo da vida, até meio, como se
o pudéssemos beber de um trago. No fundo,
como o vinho turvo, deixa um gosto amargo na
boca. Pergunto onde está a transparência do
vidro, a pureza do líquido inicial, a energia
de quem procura esvaziar a garrafa; e a resposta
são estes cacos que nos cortam as mãos, a mesa
da alma suja de restos, palavras espalhadas
num cansaço de sentidos. Volto, então, à primeira
hipótese. O amor. Mas sem o gastar de uma vez,
esperando que o tempo encha o copo até cima,
para que o possa erguer à luz do teu corpo
e veja, através dele, o teu rosto inteiro."

[Nuno Júdice]

Assim é.
Amo-te,
filipa alegria disse…
Sem palavras. Apenas sentimentos, como estes que sem qualquer hesitação descreves. Ricos pelo santuário desta imortal forma de sentir, assim somos nós.

Mensagens populares deste blogue

Verdade

Limpeza

Aqui mesmo