A manhã



Acordo dorido de não ter ficado nesse espaço. Uma ilha não inscrita em nenhum mapa, uma célula doente de ignorância, um mundo asfixiado em miniatura, uma humanidade avançada, em fogueiras homicidas.

Uma só tábua, sem naufrágio sequer, lutando por alcançar a costa e animada apenas pela recordação. Morro de sede e fome enquanto desperta o dia. Eu estou abaixo, debaixo da história sepultada em velas apagadas. Submerso em humores subterrâneos e em cinzas de ossos, sou o ser que não fui, o que não pude, o esquecido, mas existo. Dentro tenho alguém que me chama, sem me nomear. Dou-me conta, dou-me conta, eu existo.

Amanhã desperto, a cantar.

Comentários

Maria disse…
"No erotismo o que importa é no corpo da amada
não existir saída." Gonçalo M. Tavares

Apaixonadamente,
El Gato disse…
"Inflama-me, poente: faz-me perfume e chama;
que o meu coração seja igual a ti, poente!
descobre em mim o eterno, o que arde, o que ama,
...e o vento do esquecimento arraste o que é doente!"
[Juan Ramón Jiménez]

Apaixonadamente,

Mensagens populares deste blogue

Verdade

Limpeza

Lua em branco